2 – Formação e Capacitação

A Lei de Diretrizes e Bases 9394/96 teve seu texto alterado em 2008, tornando obrigatórios os conteúdos de música no ensino de Arte na educação básica. Muitos professores têm se mostrado temerosos em desempenhar tais funções, possivelmente pelo fato de a música não ter estado presente na formação desses indivíduos. É importante ressaltar que para grande parte da população brasileira a escola configura-se, muitas vezes, como única possibilidade de acesso ao patrimônio cultural.

Além do tema “música nas escolas”, o Plano Municipal de Cultura precisa contemplar a formação e a capacitação profissional do músico, do produtor musical e dos demais agentes da cadeia produtiva da música no município, incluindo as novas tecnologias.

Você pode comentar abaixo propondo ações para o cumprimento desta meta.

META 02 – Desenvolver e implantar programas de formação e capacitação no município, visando atingir escolas, comunidades e o profissional atuante na cadeia produtiva da música.
  • Garantir o acesso da população aos ensaios da Banda e Coral Municipal de Volta Redonda (instituir ensaio aberto) como forma de estímulo e incentivo aos músicos, produtores e pesquisadores do município.
  • Criar programa de formação para a primeira Orquestra Municipal de Volta Redonda.
  • Criar projeto de música nas escolas conforme modelo desenvolvido em Barra Mansa.
  • Criar parceria com a Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro para a implantação de um escritório de apoio a projetos culturais em Volta Redonda.
  • Criar programa de Bolsa de Estudos para profissionais (músicos, produtores, regentes, técnicos de sonorização, etc) que desejam aperfeiçoar seus conhecimentos na área visando a formação de multiplicadores para atuarem na capacitação do músico iniciante.
  • Criar programa cultural de musicalização infantil no município para possibilitar, de forma lúdica, o primeiro contato da criança com a música universal a partir do jardim de infância.
  • Criar edital de fortalecimento à sustentabilidade de Orquestras de Câmara independentes, visando incentivar o surgimento de novas iniciativas no município.

2 Comentários

  1. simone borges

    Pessoalmente não vejo a necessidade de instituir ensaio aberto para a Banda e Coral Municipal. Participar de ensaios muitas vezes é cansativo, um trabalho de repetição que somente faz muito sentido para quem está inserido nesse processo. Bandas precisam desse tempo, sem “distrações” de terceiros para aprimorar o trabalho. Penso que pode-se instituir a apresentação ou concerto didático com regularidade (ex: mensal), onde os músicos possam falar sobre a escolha de repertório, peculiaridades e sonoridades dos instrumentos/vozes, responder perguntas da platéia, e sobretudo interagir com o público em geral. A efetiva contribuição para formação de musicistas e plateias, apreciação musical, ou trabalhos de pesquisa pode se dar nessa troca.

    1. Setorial de Música VR

      Olá, Simone! Obrigada pela contribuição! Seu comentário já está inserido no relatório e colocaremos em discussão no II Encontro dos Setoriais de Cultura de Volta Redonda, que acontecerá no dia 22 de agosto de 2015, entre 13h e 18h, na Biblioteca Municipal de Volta Redonda (Vila Santa Cecília).

Envie um comentário